Resenha| O Sol Também é Uma Estrela, de Nicola Yoon


Autora: Nicola Yoon / Páginas: 288 / Editora: Arqueiro / Nota: 5/5
Sinopse: Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.
Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.
O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?
Natasha não sabe mais como é a vida em seu país natal, Jamaica. Morando com a família de forma ilegal nos Estados Unidos desde que era pequena, Natasha entra em desespero ao receber a notícia de que foram descobertos e agora eles terão que ser deportados.
Enquanto isso Daniel tenta aceitar o destino que seus pais coreanos rigorosamente impuseram sobre seu futuro, e mesmo que seu coração o mande ser poeta, sua obediência o obriga a tentar ser médico, como os pais querem.
Mas no meio de toda essa incerteza do futuro Daniel percebe no meio da multidão um lindo cabelo afro dançante, com uma jaqueta de couro descolada e fica curioso pra ver quem é sua dona que anda tão determinada por aí. Eis que ele descobre a teimosa, marrenta e incrédula Natasha, que não acredita em amor a primeira vista e muito menos em destino. Agora o garoto tem apenas um dia e algumas perguntas para provar, através de um teste científico, que o destino dos dois foi traçado e que Natasha poderá sim se apaixonar por um garoto que conheceu recentemente.

O que esperar de "O Sol Também é uma Estrela" nem eu mesma sabia. Com a rotina agitada do dia a dia, tudo que busquei foi uma leitura leve, interessante e que me tirasse da ressaca literária que estava ultimamente. Acabei encontrando tudo que esperava nesse romance tão fofo que me trouxe várias emoções.

Conhecer a narrativa envolvente e o enredo perfeito de Nicola Yoon foi incrível. Sua escrita trouxa uma dinâmica muito boa para o livro e achei interessante como ela intercalava os capítulos, contando a vida de outros personagens, fugindo um pouco do foco entre Natasha e Daniel e logo após voltava para os dois.

Ficar na torcida foi o que me motivou a terminar a leitura tão rápido. Saber o que seria do futuro desse casal e porquê eles estavam destinados a ficar juntos me causou uma ansiedade muito envolvente.

A maneira como a autora trata levemente de assuntos sobre crenças, ciências, destino e amor trouxeram a leveza que o livro precisava, sem aquela agressividade de tentar empurrar uma opinião a todo custo em cima do leitor e sim de mostrar que duas pessoas diferentes podem se amar e se respeitar.

Tudo acontece por causa de consequências e são por conta delas que temos um final suspirante e diferente de muitos romances. Ao todo o livro me trouxe uma experiência muito agradável e uma sensação de paz e conforto. Não vejo a hora de ler outras obras da Nicola e recomendo que você faça o mesmo.

Resenha| Diário de Uma Paixão, de Nicholas Sparks


Autor: Nicholas Sparks / Ano: 2017 / Páginas: 176 / Editora: Arqueiro / Nota: 5/5SinopseTraduzidos para 50 idiomas, os livros de Nicholas Sparks já venderam mais de 100 milhões de exemplares no mundo.“Quando me sentei para planejar a história de Noah e Allie, muitos anos atrás, nunca imaginei aonde minha própria jornada me levaria. Embora tenha gostado de escrever todos os meus livros, sempre terei um carinho especial por Diário de uma paixão.” – Nicholas SparksDuke é um homem simples com uma vida modesta, mas amou alguém de todo o coração e, para ele, isso sempre foi suficiente. Na clínica de repouso em que vive, Duke se dedica a ler poemas para os outros pacientes, mas, para uma senhora que sofre de Alzheimer – e somente para ela –, lê um diário especial à espera de que um milagre aconteça. Nele está escrita a emocionante história de Allie Nelson e Noah Calhoun, dois jovens que descobrem o verdadeiro significado da paixão, mas são separados por uma série de obstáculos e mal-entendidos. Muitos anos depois, a vida dá conta de uni-los novamente e a paixão volta com todo o seu fulgor. Já noiva de um bem-sucedido advogado, Allie precisa optar entre manter o rumo estável de sua vida e se entregar ao verdadeiro amor, correndo todos os riscos. Com a leitura do diário, Duke recorda a própria vida e, às vezes, a senhora consegue romper as barreiras da doença e retomar sua antiga identidade alegre e vivaz. E, sempre que isso acontece, Duke tem a certeza de que o amor relatado nas páginas do diário é a força mais poderosa do Universo. 'Diário de uma paixão' foi o primeiro romance publicado por Nicholas Sparks e é uma prova do talento que o consagrou por todo o mundo. Entremeando as histórias de Allie, Noah e Duke, ele construiu um conto romântico que se tornou um verdadeiro clássico.

Não sei por onde começar essa resenha. Talvez eu deva falar sobre expectativas. Quem acompanha as resenhas do meu blog já deve estar ciente do tamanho do problema que eu carrego há tempos. Existe aquele ditado que diz "não julgue o livro pela sua capa", mas por mais que eu me esforce, eu não consigo exercitar esse pensamento na minha vida - e Jonathan TropperKeri Smith e Isabela Freitas são testemunhas disso.

Julguei, sim, Diário de Uma Paixão. Custei acreditar que eu estava lendo Nicholas Sparks. Esse não é o tipo de livro que a gente lê por prazer; é o tipo de livro que a gente lê por se aventurar em novos gêneros, mas sem esperar muito, por não fazer parte do seu ciclo de leitura, eu achava. Mas eis que veio o primeiro golpe: o livro é muito bom. Numa escala de zero a dez, minha nota é, com toda certeza, um dez. 

O livro é muito bem narrado - esse é o momento perfeito para colocar em prática os tipos de narrador (Gérard Genette). Duke é um homem solitário que passa o resto dos seus dias lendo para pessoas em um asilo. A principio, Duke é um narrador extradiegético-heterodiegético. Ele conta a história de Noah e Allie e seu romance quase proibido devido às suas diferenças sociais: para a família de Allie, mais especificamente para mãe dela, Noah não é a pessoa perfeita para Allie.

A gente conhece as personagens ao qual o romance gira em torno já no futuro, anos após eles serem separados por motivos já mencionados. Allie agora está prestes a se casar com Lon, o julgado marido perfeito pela sua mãe, e três semanas antes do seu casamento, Allie, que passou anos sem notícias de Noah, recebe um sinal de vida e decide procurá-lo para um último adeus.

O livro vai além desse estereótipo de romances destinados a senhoras da terceira idade ou garotas religiosas que sonham com um amor que só existe na ficção, e por motivos óbvios, também conhecidos como spoilers, eu não vou me aprofundar. Acontecem diversas reviravoltas. Acontecem muitas coisas pelas quais vale a pena ler o Diário de Uma Paixão. E se você, assim como eu, tem problemas com expectativas, saia dessa. Vamos desconstruindo isso. Comece por Nicholas Sparks.

Resenha| O Que o Câncer Me Ensinou, de Sophie Sabbage

Autor: Sophie SabbageAno: 2017 Páginas: 220 Editora: Sextante Nota: 3/5Sinopse: Meu câncer é sistêmico e incurável, mas estou vivendo com ele. Na verdade, estou me fortalecendo com ele. Se eu considerar as estatísticas, as previsões e as probabilidades, sou um caso perdido. Mas prefiro não fazer isso. Opto por entender a doença sem me entregar a ela, me resignar sem sucumbir, gritar meu nome do alto das estatísticas antes que minha identidade seja soterrada no frio anonimato dos números. Dedico os dias, as horas e os minutos a prolongar a vida, com a inabalável intenção de criar minha filha até ela se tornar adulta, de envelhecer com meu amado marido e de fazer a diferença que gosto de pensar que vim ao mundo fazer. Não tenho qualificação para ajudar você a superar o seu problema. Mas sou qualificada para ajudá-lo a superar o seu condicionamento, o que acredito também ser essencial para o processo de cura. Posso mostrar-lhe como ficar bem, mesmo quando estiver se sentindo mal, e como resolver as questões emocionais que podem ter contribuído para a sua doença. Espero que esta leitura o inspire a sentir a vibração da vulnerabilidade, a energia do propósito e a maravilha de forjar o seu próprio caminho pela floresta densa e escura que às vezes parece não oferecer trégua ou escape. Torço, principalmente, para que você perceba que o câncer tem algo a ensinar; basta saber como ouvir o que ele está tentando dizer.
Eu não tenho câncer. Eu nunca tive e, se depender da minha vontade, nunca terei, mas sei que as coisas não funcionam assim. Escrevo essa resenha fugindo um pouco da imparcialidade. Eu compactuo com a filosofia Till It Happens to You, que consiste em entender completamente apenas o que já foi vivenciado, e para mim isso é algo totalmente empático. Escrevo essa resenha avaliando o livro, mas também os fatores externos a ele - e espero que isso faça algum sentido e espero também que não pareça com um eufemismo para fins comerciais.

A autora define o livro como uma "obra que é parte autobiográfica e parte autoajuda". Eu não tenho muito a dizer, senão que é um ótimo amparo para almas desamparadas. É muito óbvio qual seja o público ao qual o livro se endereça. No entanto, almas desamparadas de qualquer natureza pode aproveitar alguma coisa dos ensinamentos de Sophie. Não somos preparados para lidar com o pior. Sempre esperamos pelo melhor, ou pelo menos deveríamos, e é exatamente sobre isso que o livro é: se manter positivo, mesmo com seu o mundo prestes a desmoronar. 

Por mais que eu deteste autoajuda, no geral, o livro é bom. Com alguns vacilos na narrativa, mas ainda assim bom. Se eu tivesse câncer, eu compraria este livro e não me arrependeria de tê-lo comprado. Se eu tivesse um amigo com câncer, eu o recomendaria sem sombras de dúvidas. Mas como ele não foi escrito para mim - e para mim, eu me refiro ao público ao qual eu me insiro -, ele não é tão atraente. E isso sem considerar o fato dele ser um livro de autoajuda - um lance complicado de se engolir com naturalidade. Ele é completo, como um catálogo de deveres para suavizar a sua jornada rumo a cura do câncer, caso você tivesse um câncer. Contém alguns documentário, algumas informações sobre tratamentos alternativo, tratamentos convencionais, médicos e clinicas em diferentes partes do mundo. No geral, ele é bom, mas dá uma pecadinha na narrativa. Ele é um pouco previsível. Ele tem 220 páginas, folhas grossas, fonte comum, mas além do sumário, ele tem uma breve descrição dos capítulos, cujos nomes são autoexplicativos. Aí o livro que já não era tão atraente por não ser um livro destinado a você, se torna menos atraente ainda por jogar em sua cara o conteúdo do livro inteiro nas primeiras páginas.

E as coisas não são tão confusas quanto parecem: o livro é um livro de autoajuda, gênero do qual eu não sou muito fã; o livro foi escrito para um público do qual eu não faço parte; o livro tem alguns vacilos na narrativa; mas o livro não é ruim. Eu diria que ele cumpre com o que promete. Mesmo com os "problemas" citados, ele ainda é um livro que merece atenção de quem precisa de algo do tipo. E só.

Meu Jeito Certo de Fazer Tudo Errado, Klara Castanho e Luiza Trigo

 
Autores: Klara Castaonho e Luiza TrigoAno: 2017 Páginas: 375 Editora: Arqueiro Nota: 5
SinopseEm 2014, na Bienal do Livro de São Paulo, Klara Castanho foi pedir um autógrafo para Luiza Trigo, que estava lançando seu novo livro. Desse encontro nasceu uma amizade. 
Um ano depois, inquieta e cheia de ideias, Klara pediu ajuda de Luiza com o conteúdo de um programa jovem de entrevistas que planejava fazer na internet, baseado no que via no dia a dia. Depois de trabalhar um pouco no que Klara havia escrito, Luiza sugeriu: “Que tal pegarmos esses textos e transformarmos em um livro?”. Klara adorou. 
Assim surgiu a história de Giovana, uma garota que acaba de se mudar com a família para São Paulo e que, de quebra, precisa encarar os dilemas da adolescência. Obedecer sempre aos pais controladores ou se aventurar em busca de independência? Ignorar suas convicções para andar com o grupinho popular do colégio, ou isolar-se com a amiga tímida e solitária? Viver um grande amor e perder o amigo, ou contentar-se com a friendzone?
O resultado disso tudo são situações e personagens coloridos e autênticos, já que suas dúvidas, erros e acertos foram inspirados nas vivências das próprias autoras. E isso mostra um pouco do motivo pelo qual elas compartilham a paixão pela leitura: com ficção podemos exprimir grandes verdades.

Lembro da birra que eu fiz para conseguir o Meus 15 Anos da Luiza Trigo. Na resenha, eu falei da autora como se fosse a maior destruidora de lares que você respeita. Estou dizendo isso, porque eu quase repeti a cena ao ver o Meu Jeito Certo de Fazer Tudo Errado, o mais recente livro da Luiza, mas agora bem mais da Klara do que da própria Luly. O livro nasceu de uma amizade que teve início na Bienal de 2014 e também de alguns rascunhos da Klara para um projeto. E assim como o Meus 15 Anos, Meu Jeito Certo de Fazer Tudo Errado está uma delicinha de ser lido. Vale a pena.

No livro, Giovanna acabou de se mudar de Campinas para São Paulo contra sua vontade. Não estava nos seus planos ir a São Paulo justo no início do ensino médio, mas como os negócios na agência de moda dos seus pais estavam indo tão bem, eles decidiram levá-lo mais adiante, e ela não teve escolha, senão ir se acostumando com o seu mais novo lar.

E por estar no auge da adolescência é que o livro se torna interessante, pois ele trata de temas bastantes clichês com um público que, se ainda não viveu, viverá muito em breve. Serve como um guia, contendo os vacilos da adolescência (lê-se drogas, más influências e a adolescência herself). 

O livro tem aquela vibe de Garotas Malvadas (2004), e eu amo Garotas Malvadas. Sem muitos esforços, você consegue encaixar cada personagem do livro nas personalidades das personagens de Garotas Malvadas: Nanna seria a Cady, Manu seria a Regina, Miguel seria o Aaron etc. E eu vejo isso como consequência de ter uma cineasta no campo da literatura. Desde Meus 15 Anos que eu tenho notado que ela vem usando as suas armas para trazer leitores para o cinema - mesmo que de forma involuntária. E essa conversa entre as artes é incrível. 

Quando eu li Will & Will, eu não consegui distinguir quem era quem. Fui até a metade do livro jurando que só tinha um Will no protagonismo. Aí, toma epifania. O livro foi escrito pelo John Green e David Levithan, e cada um dos autores assumiu a responsabilidade de criar um dos dois personagens protagonistas, dos quais a história se intercalava a cada capítulo. Criativo. Mas por que eu estou falando isso? Porque as personagens do romance de Green e Levithan tinham personalidades próprias. Acredito que nenhum dos dois traziam características dos respectivos autores. Giovanna é a Klara Castanho. Não 100%, mas uma porcentagem suficiente para o "eu" falar mais alto do que o "ela". Não consegui desvincular a imagem dela enquanto eu lia o livro, e talvez você não consiga também.

Eu não vejo isso como algo negativo. Quem lê o meu blog, sabe que eu sempre tento escrever em primeira pessoa, tento externar o que eu realmente penso. Isso dá proximidade ao leitor. É confortante saber que você não está sozinho nessa. As pessoas têm buscado cada vez mais representatividade e não há lugar melhor para demonstrar isso do que em sua arte. 

Lançamentos de Março| Arqueiro e Sextante




Oi, pessoal! Há quanto tempo, não? Estive muito ocupada por esses meses, por isso estou correndo para ter algo aqui no blog. Esses dias recebi a noticia de que nossa parceria com a Arqueiro e Sextante está chegando ao fim, então esses é o último post de lançamento que faço divulgando os livros da editora. 

O que espero é conseguir a parceria novamente, mas se isso não ocorrer fico imensamente feliz por tudo que eles fizeram por mim nesses dois anos. Digo isso porque a Sextante foi a primeira editora que aceitou meu blog como parceira, quando ainda estava começando a publicar minhas primeiras resenhas. Então independente de como será esse ano serei eternamente grata a tudo que eles fizeram por mim e toda delicadeza que eles tiveram em me tratar bem. Meu muito obrigado a toda paciência, todos o mimos, todos os livros, eventos e confiança dada por eles a mim. 

Mas agora vamos ao foco do post! Segue os lançamentos de Março.

O SOL TAMBÉM É UMA ESTRELANicola Yoon - Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.
Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.
O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?

A CHAVE DE REBECCA - Ken Follett - Norte da África, Segunda Guerra Mundial. As tropas britânicas na região estão sofrendo perdas significativas. Não há dúvidas de que alguém está informando o inimigo sobre os movimentos e planos estratégicos do exército britânico.
O espião é conhecido por seus compatriotas alemães como Esfinge, mas para todos os outros é o empresário europeu Alex Wolff. Após cruzar o deserto, ele chega ao Cairo, no Egito, munido de um rádio, uma lâmina letal e um exemplar do livro Rebecca, de Daphne du Maurier. Violento e implacável, ele está disposto a tudo para cumprir a missão que recebeu.
Para isso, conta com a ajuda de uma dançarina do ventre tão inescrupulosa quanto ele.

IRMÃOS DE SANGUE - Nora Roberts - A misteriosa Pedra Pagã sempre foi um local proibido na floresta Hawkins. Por isso mesmo, é o lugar ideal para três garotos de 10 anos acamparem escondidos e firmarem um pacto de irmandade. O que Caleb, Fox e Gage não imaginavam é que ganhariam poderes sobrenaturais e libertariam uma força demoníaca.
Desde então, a cada sete anos, a partir do sétimo dia do sétimo mês, acontecimentos estranhos ocorrem em Hawkins Hollow. No período de uma semana, famílias são destruídas e amigos se voltam uns contra os outros em meio a um inferno na Terra.
Vinte e um anos depois do pacto, a repórter Quinn Black chega à cidade para pesquisar sobre o estranho fenômeno e, com sua aguçada sensibilidade, logo sente o mal que vive ali. À medida que o tempo passa, Caleb e ela veem seus destinos se unirem por um desejo incontrolável enquanto percebem a agitação das trevas crescer com o potencial de destruir a cidade.

QUANDO A BELA DOMOU A FERA - Eloisa James - Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, Quando a Bela domou a Fera é uma deliciosa releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos. Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.
Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.


JARDINS DA LUA - Steven Erikson - Desde pequeno, Ganoes Paran decidiu trocar os privilégios da nobreza malazana por uma vida a serviço do exército imperial. O que o jovem capitão não sabia, porém, era que seu destino acabaria entrelaçado aos desígnios dos deuses, e que ele seria praticamente arremessado ao centro de um dos maiores conflitos que o Império Malazano já tinha visto.
Paran é enviado a Darujhistan, a última entre as Cidades Livres de Genabackis, onde deve assumir o comando dos Queimadores de Pontes, um lendário esquadrão de elite. O local ainda resiste à ocupação malazana e é a joia cobiçada pela imperatriz Laseen, que não está disposta a estancar o derramamento de sangue enquanto não conquistá-lo.
Porém, em pouco tempo fica claro que essa não será uma campanha militar comum: na Cidade do Fogo Azul não está em jogo apenas o futuro do Império Malazano, mas estão envolvidos também deuses ancestrais, criaturas das sombras e uma magia de poder inimaginável.

A VIDA SECRETA DAS ÁRVORES - Peter Wohlleben - E se tudo o que você sempre pensou saber a respeito das árvores estivesse errado? E se, apesar de tão diferentes de nós, descobríssemos que elas compartilham diversas características dos humanos?
Nos últimos anos a ciência tem comprovado que as árvores e o homem têm muito mais em comum do que poderíamos imaginar. Assim como nós, elas se comunicam, mantêm relacionamentos, formam famílias, cuidam dos doentes e dos filhos, têm memória, defendem-se de agressores e competem ferozmente com outras espécies – às vezes, até com outras árvores da mesma espécie. Algumas são naturalmente solitárias, enquanto outras só conseguem viver plenamente se fizerem parte de uma comunidade. E, assim como nós, cada uma se adapta melhor a determinado ambiente.

O QUE O CÂNCER ME ENSINOUSophie Sabbage - Opto por entender a doença sem me entregar a ela, me resignar sem sucumbir, gritar meu nome do alto das estatísticas antes que minha identidade seja soterrada no frio anonimato dos números.
Dedico os dias, as horas e os minutos a prolongar a vida, com a inabalável intenção de criar minha filha até ela se tornar adulta, de envelhecer com meu amado marido e de fazer a diferença que gosto de pensar que vim ao mundo fazer.
Não tenho qualificação para ajudar você a superar o seu problema. Mas sou qualificada para ajudá-lo a superar o seu condicionamento, o que acredito também ser essencial para o processo de cura.

NATE É UM ESTOUROLincoln Peirce - Nate está apaixonado pela aluna nova. Mas depois que a briga dele com Andy ganhou as páginas do Clarim Semanal, ele arrumou um problema BEM maior do que o castigo depois da aula! Será que Nate vai dar a volta por cima? E será que a Taça de Lama anual vai ser um estouro... ou uma bomba?
Conheça a nova história do Nate, o desenhista MAIS legal da Escola 38 e o aluno MENOS querido pelos professores.


SENHORA DAS ÁGUAS - Pedro Siqueira - Psicóloga experiente, Gabriela sempre tratou a religião como crendice ou truque da mente. Quando sua mãe fica doente, ela acaba se aproximando do capelão do hospital, padre José, mais em busca de apoio do que por uma questão de fé. Após o falecimento da mãe, Gabriela mantém contato com o sacerdote, confortável pelo fato de ele não procurar convertê-la.
Porém, depois de pouco mais de um mês, a psicóloga tem uma notícia devastadora: uma grave doença se alastra por seu corpo. Como lidar com a mente dos pacientes se a sua própria já não parece funcionar mais?
Ao revelar o caso a padre José, Gabriela recebe um conselho: viajar para Lourdes, uma cidade famosa pelos milagres de cura. Mesmo sem a mínima confiança e determinação, ela decide partir em peregrinação para lá.

SENHORA DOS ARESPedro Siqueira - Durante a Segunda Guerra Mundial, uma esquadrilha da Força Aérea dos Estados Unidos não consegue completar uma missão na Itália devido a um fenômeno inexplicável. Quando sobrevoam o monte Gargano, os militares têm uma visão sobrenatural que os aterroriza e os faz voltar para a base.
O que poderia ser apenas um ataque militar frustrado acaba se tornando o ponto de partida para a conversão de dois oficiais. Curiosos para desvendar o misterioso evento, Connors e Bloom vão até um convento na cidade de San Giovanni Rotondo, onde pode estar a resposta para suas dúvidas.

LIVRO ILUSTRADO DOS MAUS ARGUMENTOS - Ali Almossawi - Diante das discussões cada vez mais absurdas nas redes sociais, Ali Almossawi resolveu resgatar uma dose – necessária e urgente – de lógica para a era da internet. O resultado é este livro acessível, que explica, com divertidas ilustrações, as 19 principais falácias que tornam insustentáveis tantos argumentos e debates.
Você aprenderá a reconhecer frequentes abusos da razão, como a falácia do espantalho (em que se deturpa o argumento do outro para poder atacá-lo com mais facilidade), o apelo a uma autoridade irrelevante e a bola de neve (em que uma proposição é desacreditada sob a alegação de que levará inevitavelmente a uma sequência de eventos indesejáveis).

Faça algo por você mesmo!


Resultado de imagem para chuva tumblr

Fiz 18 anos. Para ser mais exata, no dia 20 de janeiro do ano de 2016.
Há dezoito anos eu nascia e já crescia com responsabilidades nas costas. Como muitos de nós.
Irmã mais velha, que protege a mais nova. Uma estudante muito boa que tirava boas notas, e que se isso não acontecesse? Misericórdia! Parecia que eu joguei pedra na cruz.
Mas o que eu mais escutei nesses 18 anos de vida foi: Uma pessoa inteligente que terá um futuro brilhante!

Pode parecer estranho da minha parte estar escrevendo isso, e parte de vocês deve estar pensando "pra que isso?", mas não vou julgá-los, pois eu estaria falando isso alguns anos atrás.
Hoje, eu não digo isso porque os dezoito anos bateram na porta e por obrigação tive que abraçá-los.

A introdução desse texto talvez não faça sentido até agora, mas eu vou explicar o porquê.
Quando eu fiz dezoito anos todos esperavam algo de mim. E quando eu digo algo quero dizer que tudo que eu fizesse a partir do dia 20 deveria ter êxito. Trabalho, ENEM, faculdade, carreira, relacionamento, tudo. Resultado? Não tive exito em nada disso.

As pessoas a minha volta devem ter ficado um pouco decepcionadas com o que aconteceu. Ou melhor, por tudo que ainda não aconteceu, mas claro que nenhuma delas me disse isso. Foi ai que minha cabeça começou a girar e mesmo tendo completado a maior idade a um ano, comecei a me sentir excluída por não ter resolvido minha vida e até cheguei a pensar se seria um fracasso em tudo que eu fazia daqui para frente.

Então minha cabeça girou mais um pouco e eu percebi que tudo que eu havia planejado até agora não tinha sido por mim, não totalmente. Eu estava fazendo para um plateia que esperava a todo custo que eu fosse algo. E então eu percebi que eu não queria ser nada. Nada daquilo que eles queriam.

As vezes as pessoas chegam em mim e fazem perguntas do tipo: E a faculdade começa quando?, Você não queria ser escritora?, Já terminou seus livros?, mas no meu ouvido é como se fosse: Tem certeza que você quer escrever livros?, Você ainda não iniciou a faculdade?, Cadê aquela menina inteligente que eu conhecia?. Foi ai que eu percebi que havia algo errado. Não comigo, mas com o que as pessoas a minha volta viam quando olhavam para mim.

A menina prodígio antes dos vinte. Era isso. Isso que todos esperavam. E essa foi uma ideia tão bem implantada na minha personalidade, que me vi ao ponto de chorar por não ter realizado todos os meus sonhos quando completei a maior idade. O desespero, a dor, o sentimento de fracasso, tudo isso me assolava quando eu havia acabado de sair do berço da minha mãe, (como alguns colegas de trabalho gostam de dizer sobre minha idade).

Então eu parei tudo. Respirei. Chorei o que tinha que chorar. Escrevi o que tinha que escrever. E me organizei. Não da forma como me aconselhavam, mas da forma como eu queria. Escolhi minha faculdade, arrumei um emprego temporário que irá me render o dinheiro necessário para algumas coisas e decidi esperar, ir com calma e dando um passo de cada vez para não tropeçar nas próprias pernas.

O resultado é que ainda não conclui todas as etapas da minha vida, até porque tenho dezenove anos, mas pela primeira vez eu sinto que estou fazendo tudo como desejo. Eu me sinto mais livre para fazer o que realmente escolhi e decidi tomar algumas decisões por conta própria.

Decidi também tirar toda aquela carga emocional de cima de mim. Tudo que estava me impedindo de dormir e me causando mal. Só assim eu consegui compreender minha juventude e toda jornada que ainda preciso seguir na vida. Estou bem melhor agora. Estou caminhando também, com passos suaves e devagar, mas caminhando. Se esse for o ritmo que vai me fazer bem é ele que eu escolho. Porque meu coração está em paz agora, e é assim que eu gosto que ele esteja.