Resenha: Reboot

22:15 Sofia Trindade - Fórmula do Amor 13 Comments


 RebootAutora: Amy Tintera
Ano: 2015 / Páginas: 352
Editora: Galera Record
Nota:
Sinopse: Quando grande parte da população do Texas foi dizimada por um vírus, os seres humanos começaram a retornar da morte. Os Reboots eram mais fortes, mais rápidos e quase invencíveis. E esse foi o destino de Wren Connolly, conhecida como 178, a Reboot mais implacável da CRAH, a Corporação de Repovoamento e Avanço Humano. Como a mais forte, Wren pode escolher quem treinar, e sempre opta pelos Reboots de número mais alto, que têm maior potencial. No entanto, quando a nova leva de novatos chega à CRAH, um simples 22 chama sua atenção, e, a partir do momento que a convivência com o novato faz com que ela comece a questionar a própria vida, a realidade dos reinicializados começa a mudar. 

Resenha: Conheci Reboot em seu lançamento, mas só agora tive a oportunidade de lê-lo. Com uma frase intrigante, humanos que morrem e depois de um tempo ressuscitam mais fortes e a promessa de um livro com grandes emoções, Amy Tintera conseguiu cumprir o que foi proposto e trazer um livro que nos deixa louco pela continuação.


O Texas foi atingido por um vírus que matou grande parte de sua população. Por conta desse vírus surgiram os reboots, pessoas que morriam contaminadas e ressuscitavam com mais fortes. Wren é uma reboot. Ela foi morta com 12 anos e bateu o incrível recorde de ficar morta por 178 minutos. Isso significa que ela é a reboot mais forte e rápida. Quanto mais tempo uma pessoa fica morta, maior são suas habilidades como reboot. Mas isso não impediu Callum, que ficou morto por apenas 22 minutos, de persuadir Wren a ser sua treinadora. Callum é diferente dos outros reboots. Por ter  ficado morto pouco tempo o garoto ainda possuí grande parte de seus sentimentos humanos e isso irá lhe causar muitos problemas dentro da CRAH, a Corporação de Repovoamento e Avanço Humano que mantêm os reboots sobre seu domínio.

Seguindo um pouquinho a ideia dos zumbis, de morrer e depois "acordar", a autora traz a ressurreição humana de uma forma dinâmica e um pouco diferente. Amy Tintera tem uma escrita muito leve e fluída, que faz com que o leitor seja conduzido muito facilmente pela história criada. Por se tratar de uma duologia algumas cenas davam a impressão de que eram rápidas demais, mas nada que deixe furos no enredo ou quem está lendo perdido.

Wren é uma personagem muito forte, que acredita que perdeu todos seus sentimentos humanos por conta do que todos a diziam e a faziam acreditar. O envolvimento dela com Callum acontece em um tempo muito bom, sem pressa e sem forçar muito a barra.

A autora busca focar mais em como Wren começa a enxergar tudo ao seu redor, com a ajuda de Callum, do que em como a CRAH conseguiu dominar tudo e todos os reboots, então por isso não temos muito contato com os chefões.

O livro é jovem e agradável e é bem provável que acabe agrandando mais os fãs do gênero, mas isso não quer dizer que ele não seja uma ótima introdução para quem quer começar a ler distopias. Talvez não seja um livro que exploda no seu coração e te arrebate por inteiro, porém talvez seja aquele livro que vai te agradar em uma parte ou em outra. Reboot é uma distopia muito boa. Mesmo tendo alguns elementos já vistos e alguns bem diferentes é impossível não ter curiosidade para ler a continuação e descobrir o desfecho da história.

Você pode ler também

13 comentários:

  1. Oi Sofia, tudo bem?
    Já ouvi muitos comentários sobre essa história, alguns negativos e outros positivos. O problema é que a premissa não chamou a minha atenção, ainda mais seguindo uma linha estilo zumbis. Acho que não conseguiria entrar no clima, por isso não tenho interesse em fazer essa leitura. Dessa vez, irei passar a dica.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Eu gosto muito de distopias e esse ano tenho quebrado meu recorde lendo todas que consigo encontrar haha. Fiquei muito interessada na premissa desse livro, e quando eles voltam ficam meio zumbis? sem sentimentos? ou voltam com a mesma humanidade, porém com poderes? Fiquei bastante curiosa com a história e com certeza vou incluir nas minhas leituras.

    Abraços
    http://www.colecoes-literarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Para uma distopia, passa um pouco longe do quesito governamental da coisa, já que o livro foca no jeito de ver a vida (ou seria morte? re-vida?) da protagonista. É uma premissa diferenciada dos zumbis, nada de comedores bitolados em carne humana, mas sim ressuscitados mais fortes, sob um comando (aliás, esses comandantes são reboots??). Fiquei interessada por ser uma premissa diferenciada. Acho que vale a pena. ;)

    ResponderExcluir
  4. Oi Sofia!
    Sou muito fã de distopias, e tenho muita curiosidade de ler esse livro. Sei que provavelmente não é nada magnífico, mas o que atrai muito é essa idéia de morrer e ressuscitar, e eu quero ver como a autora trabalhou esse elemento.

    Beijos
    ummundochamadolivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oie
    ouvi falar bem sobre o livro e até fiquei curiosa, então coloquei na lista mas não pretendo ler por agora, adorei sua resenha e fiquei mais curiosa ainda pelo enredo e o final haha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Sofia! Tudo bom?
    Gostei muito da sua resenha e de conhecer esse livro! Amei demais essa premissa e já quero muuuito lê-lo!! Algo me diz que irei adorar! Já coloquei nos desejados <3
    Beijos!
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, não sou muito fã de distopias, mas costumo curtir enredos onde a população sofreu com um ataque biológico...kkkk

    Achei o enredo interessante, parece ser uma boa pedida. Já anotei a dica. Parabéns pela resenha.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    To com muita vontade de ler Reboot, acho a temática da obra bem bacana e o livro parece ser muito bem desenvolvido. A capa é linda e a de Rebelde está tão linda quanto.

    ResponderExcluir
  9. Oi Sofia, sua linda, tudo bem?
    Eu simplesmente estou adorando distopia, e para mim, é como os romances, eu não canso. E realmente, a autora trouxe algo diferente em sua história. Já pensou, ficar do lado de uma pessoa que ainda tem muitas características e sentimentos humanos quando você não tem quase nenhum? Será incrível acompanhar a personagem descobrindo esses sentimentos e percebendo o que está acontecendo ao redor deles. Não vejo a hora de ler. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Este livro está na minha lista de desejados desde seu lançamento, mas ainda não pude comprar porque está um tanto salgadinho o preço. Adoro ler as resenhas dele, me instiga! rsrsrs
    Abs
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  11. As pessoas morrem e depois ressuscitam, realmente é muito diferente de tudo que já li. Eu só fiquei um pouco frustrada por me parecer ser um juvenil, sinto falta de livros nessa pegada para adultos.

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?

    Otima dica, adoro livros assim! Não conhecia este mas fiquei muito curiosa para conhecer mais!

    até mais,
    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  13. Hello! Tudo bem?
    Ganhei o livro Rebbot e ainda nao li.
    Mas é pq eu sou meio chata com series, preciso do livro 2 em maos para poder começar, hehe.
    Como eu gosto mto de distopias, acho que sera mto bom, ja sei mais ou menos como sao desenvolvidos e nao sentirei dificuldades.
    Adorei o post.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir

ATIVE AS NOTIFICAÇÕES de resposta clicando em "Notifique-me", no canto DIREITO da caixa de comentários.
Isso aumenta a interação entre blogueiro e leitor e você pode ler minha resposta :)