Um corpo novo, com uma alma velha.

15:15 João Henrique Arantes 13 Comments


Para ser sincero hoje, nos dias atuais, eu simplesmente admiro quem gosta não só de músicas mais antigas, mais de coisas retros e de tudo que não faz parte da nossa geração, a nova geração, com pessoas solucionando seus problemas em álcool, indo cinco vezes por semana em um psicólogo, ou então as que ficam postando frases de indireta no facebook, sim, essa é a minha geração e sabe, eu tenho muito orgulho dela, do modo autossuficiente que lidamos com a vida e a importância que damos para coisas tão banais, que de fato, só perdemos tempo, é eu gosto mesmo da minha geração.
Mas não posso negar que quando vejo essas pessoas usando calças bocas de sino, ouvindo Rolling Stones, Iggy Pop, Queen, David Bowie, eu tenho um certo fetiche por pessoas assim, serio, não são cantores que ouço muito apesar de amar o Bowie, ou roupas que usaria (usaria sim, se alguém me desse, ou se acha-se alguma roupa que preste no brechó). Mais sabe, pessoas assim eu as DECLARO EM EXTINÇÃO, sim você pode ouvir essas músicas, mais acho que é difícil ver alguém andando como nos anos 80, e quando a gente vê algo assim ficamos “MEU DEUS, QUEM DEIXOU ELE SAIR DE CASA ASSIM”, bom pelo menos eu fico as vesses, mais para ser sincero eu tenho muita inveja dessas pessoas e as admiro demais.
Minha proposta era para ser bem clara, mais acabei fazendo textão, “novamente”, hoje eu apenas quero fingir que não sou um garoto de 15 anos lidando com mortes dentro de corpos vivos (peguei de um filme que assisti), e sim uma pessoa mais velha que nasceu em uma época auge, onde a música e a moda eram expressões e sentimentos realmente autênticos, sem plágios!

Fiz uma playlist de como minha vibe anda...

Novos Baianos – A Menina Dança
“De um lado o olho desaforo
Que diz meu nariz arrebitado
E não levo para casa, mas se você vem perto eu vou lá
Eu vou lá!”

Elton John - Bennie and The Jets
“Ei rapaziada, se liguem nos infiéis,
Talvez estejam cegos
Mas Bennie os faz ficar sem envelhecer.
Temos que sobreviver, vamos seguir em frente,
Onde encaremos nossos pais nas ruas
Pra descobrir quem está certo e quem está errado.”

Amy Winehouse - Fuck Me Pumps
“Você não gosta de jogadores
É o que você diz
Mas você realmente não se importaria com um milionário
Você não gosta de festeiros
Eles não fazem nada por você
Mas você amaria um ricaço de 1,82m ou mais alto que isso”

Eddy Grant - Electric Avenue
Quem é o culpado num país
que nunca chega a ser um só
Negociando a multiplicação
E eles ainda não conseguem alimentar a todos”

Gloria Gaynor - I Will Survive
No início eu tive medo, fiquei paralisada
Continuava pensando que nunca conseguiria viver
Sem você ao meu lado
Mas então eu passei muitas noites
Pensando como você me fez mal
E eu me fortaleci E eu aprendi como me arranjar”

Espero que tenham gostado e até a próxima...

Você pode ler também

13 comentários:

  1. Parabéns pelo texto. Ficou lindo e muito real. Eu sou da época dos Backstreet Boys ainda HAUSHAUSHAUHSUAS.
    Tenho 28 anos, mas te confesso que gostaria de ter nascido na década de 70.
    Hoje em dia as pessoas são muito superficiais.
    E a música? Quanto mais erótica melhor né? #SQN.
    Não suporto sertanejo universitário. Porque música boa você tem que "catar" um lugar para ir e nem sempre acha.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, hoje em dia a maioria das músicas são feitas apenas para vender, apenas... também não curto muito sertanejo não ahshahsh

      Excluir
  2. Oi João, tudo bem?
    Super me identifiquei com o post!
    Apesar de ser jovem eu amo tudo que é retro, principalmente músicas!
    Eu escuto demais bandas dos anos 80,70,60 e adoro!
    Também aprecio tudo que for de boa qualidade da atualidade, mas sem deixar de escutar as mais antigas.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  3. Adoro musicas mais antigas, acho que a letra supera as atuais, facilmente. Adoro a maioria das citadas na postagem. Adorei!


    www.thunderwave.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá João, adorei seu texto de reflexão *-* goste de algumas musicas que você escolheu, mas não ouço muito musicas antigas...

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  5. Amy Winehouse!!! Já gosto de você! kkkk
    Sou uma pessoa dos anos 80/90 para meu gosto musical. Amo Jazz, que é um gênero musical meio difícil de ter bons sons nos tempos "atuais", então mato minha vontade escutando tudo o que os anos 60/70 e 80 tem pra me oferecer, o que GRAÇAS A DEUS, é bastante coisa! Amo Etta James, você curte?
    Gostei muito da sua playlist!
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro Etta James, conheci ela lendo o livro da Adele, que também gosta muito dela, ai fui procurar e amei <3

      Excluir
  6. Oi João, tudo bem? Admito que sou uma das que pensa: "Quem deixou a pessoa sair deste jeito?" Caso veja alguem com roupa dos anor 80, mas gosto do jeito que o pessoal se visita na época.
    Gostei muito do seu texto.
    Beijos, Larissa (laoliphant.com.br)

    ResponderExcluir
  7. Oi João, eu adorei as músicas, mas confesso que não fazem meu estilo, uma vez eu ouvia bastante mas agora já estou optando por outros. Mesmo assim dei uma conferida nos vídeos e adorei!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  8. oi ^^
    eu sou dessas tbm que tem a alma antiga, que gosta de coisas que não fazem tanto sucesso por ser do passado, mas que ainda te tocam de certa forma.
    adorei o texto <3 me senti conectava com vc através das palavras haha. sério.

    ResponderExcluir
  9. Oiii parabéns pelo texto... muito bem escrito!!
    Eu sempre ouvi uma coisa que eu aprendi a levar como a verdade absoluta... música boa não tem época, nem idade... entãooo mesmo sendo jovens e gostando das músicas antigaas não significa que somos de uma alma velha e sim que temos bom gosto, porque essas musicas de hj em dia vamos combinar ne kkk

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  10. Gostei do seu post. :) Acho que ele vai além da apresentação de bandas e de músicos que fizeram sucesso nos anos 80/90. A sua reflexão é sobre uma geração diferente… uma geração, como você bem colocou, que procura ser autossuficiente. Eu tenho medo dessa geração. Nunca vi tantos adolescentes dispostos a gritar suas opiniões sem ouvir as opiniões dos outros, dispostos a exigir respeito sem respeitar, dispostos a lutar pelos seus direitos sem realmente se interessar em conhecê-los. São adolescentes cheios de informação, mas que parecem se limitar a uma compreensão superficial sobre os fatos. Sabem tudo, mas não se especializam em nada. Não sabem conversar com adultos. Meu Deus, isso me assusta. Eu comecei a trabalhar aos 14 anos, quando já ajudava em casa. Sou da época em que não existia Facebook e, se você mudasse de escola, nunca mais veria seus amigos. O contato de perdia. Hoje as redes sociais dão a tudo um caráter "acessível/permanente" e acho que o modo de os adolescentes pensarem é semelhante ao funcionamento delas. É um bombardeio de informações que não têm relação direta umas com as outras, mas no qual "uma coisa leva à outra". Um clique leva a outro e, quando se nota, saiu-se de um tema sobre saúde para um vídeo com cachorrinhos fofos. Falta coerência. Ao mesmo tempo, não se sabe lidar com a perda, com a finitude. Nada acaba, nada é inacessível. Lida-se com a morte com banalidade. Não se vive o luto. O acesso fácil às informações parece fazer com que os adolescentes se sintam no direito de ultrapassar quaisquer limites. Não há o encanto do mistério. Nem mesmo nos relacionamentos. As vestes não dão ao outro o que imaginar. É tudo descoberto. A paquera é cheia de emoticons. Faltam as bochechas vermelhas, o coração aos saltos, as mãos suadas… Falta o desconforto de uma declaração ao vivo e a cores. Tudo porque, se duvidar, se inicia um namoro pelo Tinder. Você já sabe o que a outra pessoa procura fuçando suas redes sociais, o seu perfil na internet, as suas indiretas públicas. Enfim, desculpe o desabafo. Acho digno ver você se preocupando em ver o que tivemos no passado. Só temo a palavra que usou… "autossuficiente". Ela mata o precisar do outro. Ela torna cada pessoa o umbigo do mundo. E ela nunca esteve tão certa.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir

ATIVE AS NOTIFICAÇÕES de resposta clicando em "Notifique-me", no canto DIREITO da caixa de comentários.
Isso aumenta a interação entre blogueiro e leitor e você pode ler minha resposta :)